quinta-feira, 23 de maio de 2013

« Não é insónia, é saudade. »

O relógio marcava as quatro horas da manhã... Lá fora a chuva caia, fazendo um tilintar hipnotizaste. Na cama ela permanecia inerte, enrolada no calor das memórias. Não conseguia parar de pensar nos na hipóteses de um passado diferente, nas opções que não considerou, os erros que cometera e nas oportunidades que perdeu... Não conseguia esquecer nem perdoar o mal que lhe fez. Ele era um doce de pessoa, tão maravilhoso, tão... tão... tão perfeito! Ela não se sentia digna de estar ao seu lado. Ele era perfeito demais para ela.
Enquanto as lágrimas lhe corriam pelo rosto e o coração se apertava no seu peito, as memórias deles os dois assombrava a sua mente. Todas as conversas até a madrugada e todas as gargalhadas e todos os toques e todos os olhares... agora resumiam-se a nada. Ela jurara nunca partir-lhe o coração, mas assim o fez. Mesmo sem ter tido a intenção de o magoar, magoou  Contudo, apesar de toda a dor, bem lá no fundo ela sabia que o amava de um geito diferente e que eles nunca poderiam estar juntos...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Posts Mais Vistos: